emissão em direto

próximo programa

Ver programação completa

Caldas da Rainha “ideal para turismo em família”

Sendo o município das Caldas anfitrião da 7ª edição do Fórum de Turismo Interno “Vê Portugal”, que este ano decorreu em formato híbrido, no Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha, e não sendo possível uma visita presencial ao concelho, conforme aconteceria se não fosse a pandemia, houve um painel só dedicado às Caldas da Rainha, onde o vereador Hugo Oliveira, com a pasta do turismo, apresentou a estratégia de promoção turística. Mostrou ainda o “Roteiro 360o Caldas da Rainha” (principais pontos turísticos) que o município já tem disponível na internet.

A intenção é despertar uma motivação para futuras visitas às Caldas da Rainha, mas “aí presencialmente”. Hugo Oliveira começou por destacar Caldas da Rainha como um local seguro para visitar e ideal “para um turismo em família”. O autarca referiu que o concelho está preparado para a retoma do turismo e que assenta “essencialmente em turismo sustentável, inclusivo, criativo, consciente, regenerativo e slow”. O vereador anunciou que a autarquia vai apresentar nas próximas semanas um pacote de “apoio à economia local mas também à captação e fixação de turistas aos fins de semana nas Caldas da Rainha”. Para o autarca, o termalismo e o facto do Hospital Termal ser o mais antigo do mundo “ocupam na nossa esfera de ação uma área importantíssima”. Referiu ainda a importância do turismo gastronómico, com produtos locais provenientes de agricultura biológica e sustentável. Destacou a Praça da Fruta, único mercado diário a céu aberto em Portugal. Hugo Oliveira referiu que outra estratégia é iniciar o processo de smart city nas Caldas da Rainha. “Temos que ter a capacidade de perceber como gerir uma cidade com os dados que nos são transmitidos”, explicou, acrescentando que com uma central de inteligência urbana “conseguimos, por exemplo, perceber qual o impacto de um certo evento”. O autarca recordou que Caldas é uma cidade criativa da UNESCO do Artesanato e Artes Populares. “Encontra-se na vanguarda das artes, com forte contributo na cerâmica de autor, cutelaria, joalharia, pintura e escultura”. “Temos cerca de 70 ateliês de ceramistas espalhados pelo concelho e alguns permitem que um turista chegue e possa experienciar, mexendo no barro”, apontou. O objetivo é apostar no turismo criativo “das artes” com mais “centros de investigação e produção cerâmica”, adiantou o vereador, fazendo referência à escola de artes e design. O autarca referiu ainda que é importante promover a vida em comunidade, querendo passar a mensagem de que “viver ou passar nas Caldas é sinónimo de tranquilidade e qualidade de vida”, pela possibilidade de “passar no Parque D. Carlos I, visitar os museus, passar pela Praça da Fruta e ir ver o mar à praia da Foz do Atelho”. “É preciso abrandar o modo de vida, fazendo um equilíbrio para uma sociedade regenerativa, consciente e solidário no apoio ao próximo, na afetividade e relação com o meio ambiente”, adiantou. O vereador disse que é preciso olhar para a estratégia pós pandemia e apostar na reorganização da promoção turística, a nível nacional e internacional, apostando nas diversas valências da cidade. “É preciso articular medidas entre empresários da região e entidades governamentais para a recuperação económica”, sustentou. Falou igualmente de outras estratégias da autarquia para a retoma da atividade turística, como um centro interpretativo do centro histórico, valorização dos produtos endógenos (“Pátio dos Burros” na Cova da Onça) e uma aposta forte do termalismo. Hugo Oliveira disse que Caldas quer recentrar-se como “um concelho que aposta num termalismo terapêutico, mas que também terá o complemento de saúde e bem-estar”. O autarca destacou os novos investimentos a nível hoteleiro, nomeadamente o hotel Campanile, de três estrelas, aberto no mês de abril, que veio “complementar a nossa oferta”, e o hotel Montebelo Bordalo Pinheiro, de cinco estrelas, nos Pavilhões do Parque D. Carlos I, que virá “valorizar a zona histórica”. O vereador revelou que entre 2013 e 2017 o concelho subiu de 70 mil para 190 mil dormidas, um “crescimento grande que obriga a criar mais produto para que Caldas da Rainha funcione como um espaço em que pessoas se possam fixar e ir visitar Óbidos, Peniche, Alcobaça e Fátima”. Roteiro 360o Caldas da Rainha O “Roteiro 360o” (roteiro turístico virtual) foi apresentado pelo vereador, como “uma das propostas de inovação integradas na estratégia turística do concelho”. O projeto, que já está online, traduz-se numa visita virtual que “traz ao visitante a possibilidade de, a partir do seu computador, entrar na cidade e conhecer mais para além do que vê”, afirmou o autarca. Vinte e três fotografias panorâmicas levam o visitante “a 63 pontos de interesse, numa experiência mais interativa, mais imersiva e mais cativante para o utilizador”, acrescentou, sublinhando que a viagem é “guiada por [Rafael] Bordalo Pinheiro”, recriado pelo ator José Ramalho.

Últimas Notícias

Equipa do Acrotramp vence Scalabis Cup

Decorreu nos dias 8, 9 e 10 de julho, a Scalabis Cup, competição Internacional de ginástica, no Pavilhão Desportivo Municipal de Santarém, reunindo cerca de 500 ginastas em representação de vários países. O Acrotramp Clube de Caldas esteve representado nesta competição com seis ginastas seniores de 1ª divisão e elite (três em duplo minitrampolim e três em tumbling).

Caldas da Rainha esteve em alerta mas DGS corrigiu números

A Direção-Geral da Saúde procedeu na passada segunda-feira a uma correção da incidência cumulativa a 14 dias por 100 mil habitantes nas Caldas da Rainha, para o período de 24 de junho a 7 de julho, o que retirou o concelho do estado de alerta em que havia sido colocado indevidamente por resolução do Conselho de Ministros na quinta-feira anterior.