emissão em direto

próximo programa

Ver programação completa

Festival Impulso durante um ano

O Festival Impulso vai decorrer no Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha entre este mês e maio do próximo ano, com 24 concertos em doze meses, assentando a programação na comunidade de artistas da nova música portuguesa: Acácia Maior, April Marmara, David Bruno, Farwarmth, First Breath After Coma, Glockenwise, Guta, Kiko Dinucci, Luís Severo, Montanhas Azuis, Paus, Sensible Soccers, Tó Trips e Vaiapraia.

Haverá workshops e ciclos de cinema, apostando-se na criação de momentos musicais únicos e inéditos através de residências artísticas que culminarão em apresentações.

O primeiro semestre arranca já no dia 26 deste mês, com o jovem músico e produtor que vive da constante experimentação, Farwarmth, e o quarteto de Lisboa Paus.

A 21 de julho assiste-se a uma dupla improvável: Guta (alter-ego de Cátia Sá), a artista que brinca nos “entremundos”, ondulando entre a música experimental, a eletrónica e a pop, produzindo um som fragmentado e rico em detalhes embora sem ADN definido, e First Breath After Coma, que apresentam o novo álbum visual “Nu” num formato concerto-filme.

A 6 de agosto é a vez da contadora de epopeias imaginadas e romances vividos, April Marmara, apresentar as suas canções. A esta noite junta-se a estreia em quinteto de Montanhas Azuis. À pirâmide original de Marco Franco, Norberto Lobo e Bruno Pernadas – figuras com um papel transversal à música com uma multiplicidade de referências e linguagens que vão do rock, ao jazz, ao improviso – unem-se agora Miguel Nicolau (Memória de Peixe) e Ana Araújo (Mikado Lab).

Terminado o verão é tempo de escutar Acácia Maior em formato banda com Henrique Silva e Luís Firmino, Renato Chantre, Cachupa Psicadélica e Eliana Rosa, que misturam a morna e o reggae ao mesmo tempo que homenageiam a cultura cabo-verdiana. Na mesma noite, a 30 de setembro, sobe também ao palco do CCC o artista multifacetado de Vila Nova de Gaia, David Bruno.

Na noite de 21 de outubro é a vez de Luís Severo, escritor de canções, revitalizador do cancioneiro português, e Vaiapraia – do queerpunk para a coragem da música cantada em português – darem o corpo, a alma e a voz no palco do Impulso.

A 11 de novembro é a vez da voz, dos riffs, do ritmo da bateria, da coesão e da elegância das canções de Glockenwise e da guitarra de Tó Trips – que a par da presença nos Dead Combo, tem vindo a construir uma discografia a solo.

Por fim, a encerrar o primeiro semestre de Impulso, a 10 de dezembro será possível ver e escutar ao vivo o novo disco “Manoel”, de Sensible Soccers, criado a partir de dois filmes do cineasta Manoel de Oliveira, com data prevista de lançamento para setembro deste ano, e ainda o brasileiro Kiko Dinucci, fundador de um dos mais prestigiados grupos representativos da cena musical brasileira contemporânea, Metá Metá.

O Impulso 2021 é uma organização colaborativa entre a Associação Impulso em parceria com a ESAD.CR (Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha) através da Licenciatura em Som e Imagem, e com a ADJ.CR (Associação para o Desenvolvimento da Juventude das Caldas da Rainha).

Os nomes para o segundo semestre do Impulso serão anunciados em janeiro de 2022, confirmando-se para já a renovação da parceria iniciada em 2019 com o DocLisboa, com um ciclo de cinema documental a decorrer entre janeiro e junho de 2022.

Os bilhetes para as primeiras sete noites do Impulso 2021 já estão disponíveis online, 10€ (bilhete normal) e 5€ (estudantes).

Últimas Notícias

Equipa do Acrotramp vence Scalabis Cup

Decorreu nos dias 8, 9 e 10 de julho, a Scalabis Cup, competição Internacional de ginástica, no Pavilhão Desportivo Municipal de Santarém, reunindo cerca de 500 ginastas em representação de vários países. O Acrotramp Clube de Caldas esteve representado nesta competição com seis ginastas seniores de 1ª divisão e elite (três em duplo minitrampolim e três em tumbling).

Caldas da Rainha esteve em alerta mas DGS corrigiu números

A Direção-Geral da Saúde procedeu na passada segunda-feira a uma correção da incidência cumulativa a 14 dias por 100 mil habitantes nas Caldas da Rainha, para o período de 24 de junho a 7 de julho, o que retirou o concelho do estado de alerta em que havia sido colocado indevidamente por resolução do Conselho de Ministros na quinta-feira anterior.