emissão em direto

Governo recomendado a requalificar Escola Secundária Raul Proença

Foi publicada no Diário da República a recomendação ao Governo, aprovada pela Assembleia da República a 22 de outubro, para que programe e execute, com urgência, obras de reabilitação da Escola Secundária Raul Proença, no concelho das Caldas da Rainha.

Foi publicada no Diário da República a recomendação ao Governo, aprovada pela Assembleia da República a 22 de outubro, para que programe e execute, com urgência, obras de reabilitação da Escola Secundária Raul Proença, no concelho das Caldas da Rainha.

A Assembleia da República decidiu recomendar ao Governo que, “em estreita articulação com o Município das Caldas da Rainha, programe, agende e execute as obras de requalificação de todo o edificado da escola, facultando os recursos financeiros necessários, no quadro da programação dos fundos comunitários ou de outras fontes de financiamento existentes para esse fim, para garantir as condições adequadas a uma escolaridade de qualidade”.

A decisão foi tomada por unanimidade, resultando o texto final dos projetos de resolução apresentados pelos grupos parlamentares do PS, PSD e CDS-PP.

A intervenção na escola, datada dos anos 70 e frequentada por cerca de 1.200 alunos do ensino secundário e terceiro ciclo do ensino básico, foi defendida pelos três partidos.

Os deputados apontaram que se tem vindo a “assistir à acentuada e progressiva degradação das condições de habitabilidade, conforto e desadequação funcional” das instalações, compostas por quatro edifícios modulares, ginásio e espaços exteriores de campos desportivos e zonas de estar, considerando que “no geral há um baixo desempenho físico-construtivo do espaço escolar”.

O desconforto térmico, os problemas acústicos e luminosidade e a muito baixa eficiência energética foram igualmente relatados, assim como o desgaste provocado pelo uso e pelo envelhecimento natural, para além de problemas de impermeabilização, descoloração das fachadas e fissuras nas paredes exteriores dos blocos das salas de aulas.

As instalações sanitárias também têm problemas, nomeadamente de maus cheiros e inundações ocasionais, existem escadas e outros acessos não regulamentares, os pavimentos estão muito desgastados, o aquecimento de algumas salas é conseguido através da utilização de aquecedores de resistência eléctrica, os equipamentos informáticos e servidores estão obsoletos e os cabos de alimentação estão à vista.

Este cenário foi considerado incomportável perante a “valorada avaliação pelo Ministério da Educação e amplo reconhecimento da qualidade do seu projeto educativo e percurso de qualificação dos alunos”.

De acordo com os deputados, “urge uma intervenção que corrija os problemas construtivos, a reparação ou substituição parcial de redes de águas, esgotos e de eletricidade, uma adequação funcional tendo em conta a diversificação e qualificação dos espaços destinados ao ensino-aprendizagem, com relevância para laboratórios das ciências experimentais e espaços de práticas de educação física e desporto, e a melhoria das condições de segurança e de acessibilidade e da eficiência energética e de sustentabilidade ambiental”.

Últimas Notícias

Suspeito de esfaqueamento detido pela Judiciária

Um homem de 24 anos que tentou matar outro com uma faca, no ano passado em Rio Maior, foi detido no dia 24 de maio pelo Departamento de Investigação Criminal de Leiria da Polícia Judiciária em Ferrel, no concelho de Peniche.

João Almeida com Covid-19 desiste do Giro d’Italia

A 18ª etapa do Giro d’Italia, nesta quinta-feira, fica marcada pela ausência do ciclista caldense João Almeida, que acusou positivo à Covid-19, sendo assim forçado a abandonar a prova, quando ocupava o quarto lugar, a 1 minuto e 54 segundos do líder e a 49 segundos do pódio.