emissão em direto

Jornal das Caldas nas 24 horas de Fronteira todo-o-terreno

Mais de duas centenas e meia de pilotos, de nove nacionalidades, mas também os espetadores espalhados pelos 16 quilómetros de perímetro do Terródromo de Fronteira, voltaram a viver as emoções e as sensações que só a maior prova de resistência da modalidade consegue proporcionar. As 24 horas de Fronteira voltaram para reafirmar a sua reputação. Não apenas de uma luta contra o cronómetro ou uma prova de superação para homens e máquinas, mas também uma enorme festa, que celebra o verdadeiro espírito do todo-o-terreno. 

Mais de duas centenas e meia de pilotos, de nove nacionalidades, mas também os espetadores espalhados pelos 16 quilómetros de perímetro do Terródromo de Fronteira, voltaram a viver as emoções e as sensações que só a maior prova de resistência da modalidade consegue proporcionar. As 24 horas de Fronteira voltaram para reafirmar a sua reputação. Não apenas de uma luta contra o cronómetro ou uma prova de superação para homens e máquinas, mas também uma enorme festa, que celebra o verdadeiro espírito do todo-o-terreno. 

Em grande parte da corrida, a pista foi palco de uma luta entre diferentes conceitos técnicos. De um lado, os protótipos especificamente desenvolvidos para provas de resistência de todo-o-terreno. Do outro, os espetaculares e competitivos SSV, veículos que originalmente começaram por ser desenvolvidos como utilitários ou de recreação, mas que cada vez são mais vistos em provas TT, devido à extraordinária relação competitividade-preço. 

Contudo, ainda não foi nesta edição que um SSV se estreou a vencer na prova de resistência organizada pelo Automóvel Club de Portugal. O triunfo ficou a cargo dos suspeitos do costume, a equipa luso-francesa de Alexandre Andrade, Cedric Duple, Yann Morize e Florent Charvot que assinou um desempenho irrepreensível com o seu Nissan Proto, assumindo às 11 horas de prova uma liderança que nunca mais perdeu. E assim confirmou, de forma categórica, um novo recorde de oito triunfos em Fronteira (2004, 2007, 2009, 2011, 2016, 2018, 2019 e 2021), fruto da receita infalível, velocidade e consistência, que também já tinha imposto no triunfo nas 24 Horas de Paris deste ano. Uma época perfeita, de dobradinha, tal como já tinham feito em 2016! 

“Queríamos juntar esta vitória ao triunfo nas 24 Horas de Paris. Temos um carro espetacular, já com dez anos, mas muito fiável”, afirmou a equipa luso-francesa.

No segundo lugar, a duas voltas dos vencedores, terminou o Fouquet nº8 dividido entre os franceses Francis Balocchi, Nicolas Martin, Benjamin Bujon e Laurent Fouquet, que assegurou, ao mesmo tempo, o triunfo na categoria T1.

E a fechar o pódio ficou o melhor dos SSV, equipa 100% portuguesa constituída por Rui Carneiro, João Ferreira e os irmãos Ricardo e Manuel Porém (de Leiria). Apesar dos problemas técnicos diversos no MMP Can-Am, o terceiro lugar foi seguro, com uma volta de vantagem para os quartos classificados.

Últimas Notícias

Funcionária acusada de desviar dinheiro de taxas moderadoras

O Ministério Público deduziu acusação contra uma mulher que exerceu funções no serviço de atendimento complementar da Nazaré, pertencente ao Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Oeste Norte, e que nesse âmbito está indiciada da prática de crimes de peculato e de recebimento indevido de vantagem.

Radiocomunicações de barcos fiscalizadas

A Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) levou a cabo no último trimestre de 2021 um conjunto de ações de fiscalização com a Polícia Marítima, numa zona compreendida entre os portos de Caminha e Peniche.

Uma semana com mais 5 mortes e mais 1172 casos ativos no Oeste

Os dados divulgados até à noite de 10 de fevereiro davam conta que no total, desde o início da pandemia, foram registados 831 óbitos (mais 5 em relação à semana passada) na região Oeste associados à Covid-19. O concelho de Torres Vedras era onde se verificava o maior número de falecimentos, que ascendem a 197 […]