emissão em direto

Maior afluência às urgências mas menos internamentos nos hospitais do Oeste

O Centro Hospitalar do Oeste (CHO) duplicou em dezembro o número de atendimentos na urgência Covid-19 por comparação a igual período do ano passado, mas registou um menor número de internamentos, revelou a administração à agência Lusa. Na Área Dedicada a Doentes Respiratórios (ADR), a chamada urgência Covid, da unidade de Caldas da Rainha foram […]

O Centro Hospitalar do Oeste (CHO) duplicou em dezembro o número de atendimentos na urgência Covid-19 por comparação a igual período do ano passado, mas registou um menor número de internamentos, revelou a administração à agência Lusa.

Na Área Dedicada a Doentes Respiratórios (ADR), a chamada urgência Covid, da unidade de Caldas da Rainha foram atendidos 713 doentes, muito acima dos 283 atendimentos verificados em dezembro do ano anterior.

Já o ADR da unidade de Torres Vedras do CHO atendeu 937 doentes, quando um ano antes eram 562, disse a presidente do conselho de administração do CHO, Elsa Baião.

Nas duas unidades, metade dos doentes que recorreu às urgências Covid recebeu a pulseira verde, correspondente aos casos menos urgentes.

“Os centros de saúde desativaram os ADR que tinham a funcionar em estruturas autónomas, apesar de manterem o atendimento a doentes Covid. Os cidadãos já têm menos receio de ir às urgências, com a evolução da pandemia, e temos alguns casos reencaminhados pela Linha Saúde 24 que não se justificavam, porque as pessoas ou não têm sintomas ou têm patologia ligeira”, indicou a administradora.

A afluência aos ADR do CHO disparou em dezembro, já que em setembro foi de 400 e 329 em Torres Vedras e nas Caldas da Rainha, respetivamente, em outubro de 487 e 398 e em novembro de 703 e 481.

Quanto aos internamentos, o CHO tem vindo a ter ocupadas 15 das 21 camas afetas a doentes infetados pela Covid-19, registando-se por isso menos internamentos do que há um ano, ao atingir em janeiro de 2020 um máximo de 144 camas e precisar de transferir doentes para outros hospitais por falta de capacidade.

“Os casos são menos graves” nesta altura em que a população se encontra vacinada contra a Covid-19, esclareceu a administradora hospitalar.

Tendo em conta as estimativas de aumento dos contágios a nível nacional, provocado pela variante Ómicron, o CHO prepara-se para reforçar os serviços, seguindo o plano de contingência delineado para a pandemia de Covid-19. Contudo, depara-se com a falta de profissionais de saúde.

“Os nossos profissionais, à semelhança da restante população, também se encontram infetados ou a estão em isolamento por terem tido contactos de risco, assistindo-se a um número significativo de baixas”, explicou Elsa Baião.

Últimas Notícias

Casal cultivava canábis em casa

Um homem de 48 anos e a sua companheira, de 40 anos, foram constituídos arguidos, após o desmantelamento de uma estufa de canábis no concelho do Bombarral.

Banhista inglês socorrido

Um homem de 46 anos, de nacionalidade britânica, que alegadamente sofreu um trauma cervical depois de ter mergulhado em Point Fabril, uma praia não vigiada, em Ferrel, no concelho de Peniche, no passado sábado, foi socorrido por elementos do Comando-local da Polícia Marítima de Peniche, do Projeto “SeaWatch”, bem como dos Bombeiros Voluntários de Peniche.

Nadadores encontram crianças perdidas

Os nadadores salvadores da Nazaré ajudaram neste domingo em quatro situações de crianças perdidas na praia. Todas elas foram encontradas e entregues aos pais, graças ao sistema de comunicação entre os postos de praia.

Ciclismo em A-dos-Francos

No dia 21 de agosto, a segunda etapa da 14ª Volta a Portugal de Cadetes em ciclismo vai passar em A-dos-Francos, junto ao monumento de homenagem a João Almeida, cerca das 11h30, depois do prólogo em Alpiarça e da primeira etapa entre Almeirim e Benavente.