emissão em direto

Militares julgados por alegada falsificação e burla

Três militares da GNR que desempenharam funções no posto de Caldas da Rainha em 2014 estão a ser julgados no Tribunal de Leiria por alegada prática dos crimes de falsificação de documento, abuso de poder e burla qualificada.

Três militares da GNR que desempenharam funções no posto de Caldas da Rainha em 2014 estão a ser julgados no Tribunal de Leiria por alegada prática dos crimes de falsificação de documento, abuso de poder e burla qualificada.

O caso remonta a 9 de fevereiro daquele ano, quando um dos militares não se apresentou no posto para prestar serviço. Teve um acidente de viação que lhe causou ferimentos e, segundo a acusação do Ministério Público, a ocorrência foi qualificada como tendo ocorrido em serviço, com os tratamentos médicos, no valor de 2.299,39 euros, a serem pagos pela GNR, e ao ferido foi confirmada uma incapacidade permanente parcial pela Caixa Geral de Aposentações, instituição que se destina à atribuição de pensões a funcionários públicos, atribuindo-lhe 29.721,97 euros, valores que agora são reclamados, para além de pena acessória de proibição do exercício de funções públicas.

O Ministério Público sustenta que a escala de serviço no livro de relatório diário do posto foi falsificada, tendo sido intervenientes o comandante do posto da GNR, que exercia funções em substituição, o militar acidentado e o seu pai, sargento-mor.

Os arguidos negam a falsificação e asseguram que a alteração da escala de serviço havia sido combinada na véspera do acidente. O então comandante do posto em regime de substituição admitiu que fez alterações à escala devido à morte de familiares de outros dois militares e não para beneficiar o arguido acidentado, que em tribunal contou que lhe foi pedido para entrar mais tarde, razão pela qual decidiu regressar às Caldas da Rainha no próprio dia em que iria trabalhar, altura em que teve o acidente, zona de Castro Daire, no distrito de Viseu. O pai do militar contou que soube do acidente pelo comandante em funções e negou ter ido ao posto da GNR após receber essa informação para proceder a qualquer modificação no livro de relatório.

A GNR abriu processos disciplinares aos militares envolvidos que, segundo a agência Lusa, se encontram suspensos a aguardar o fim da ação judicial em curso.

Um deles está já aposentado, outro com licença para desempenhar funções fora da GNR, trabalhando como gestor de operações numa empresa, e o terceiro desempenha funções administrativas na GNR.

Últimas Notícias

Massagem de flores da mata Rainha D. Leonor

Termas abrem época com novidades A época termal na vertente terapêutica da ala sul do Hospital Termal das Caldas da Rainha vai reabrir a 1 de fevereiro com muitas novidades a nível do bem-estar. O lançamento de banhos de rituais de cacau e menta, a massagem de flores da mata Rainha Dona Leonor e rituais […]

Lions formaliza entrega de verba de espetáculo solidário

O Lions Clube das Caldas da Rainha fez no passado dia 30 uma entrega formal ao Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Oeste (CHO) da verba apurada no concerto solidário com o maestro e pianista António Victorino d’Almeida e trio de Pedro Caldeira Cabral. Recorde-se que o espetáculo decorreu no dia 8 de outubro […]

Desfile equestre apresentou reis do carnaval das Caldas

Luís Ventura, de 47 anos, e Mariana Mortágua, de 22 anos, foram escolhidos para serem os reis do carnaval das Caldas da Rainha, encarnando as personagens Zé Povinho e Maria da Paciência, respetivamente, criações de Rafael Bordalo Pinheiro como caricaturas do povo português.

V Jornadas SIPO Júnior

Entre os dias 12 a 15 de abril decorre a 5ª edição das Jornadas da Semana Internacional de Piano de Óbidos (SIPO) Júnior, no Auditório Municipal de Óbidos, com master classes de piano, seminário de improvisação, concertos comentados e uma audição final dos participantes. As jornadas, que contam com o apoio da Câmara Municipal de […]