emissão em direto

próximo programa

Ver programação completa

Novo Conselho Geral do Montepio Rainha D. Leonor iniciou trabalhos

O novo edifício do Montepio Rainha D. Leonor (antigo edifício da EDP) acolheu na passada sexta-feira a cerimónia de tomada de posse dos membros eleitos do Conselho Geral e do Conselho Fiscal da associação mutualista para o quadriénio 2021-2024.

Recorde-se que os elementos da Mesa da Assembleia Geral e do Conselho de Administração tomaram posse no dia 14 de maio, logo após a divulgação dos resultados, onde o médico Francisco Rita, da Lista B, assumiu a presidência da instituição.

Desistiram três elementos do Conselho Geral que constavam da Lista A: António Monteiro, Orlando Santos e Carlos Gouveia da Silva.

No final da tomada de posse dos órgãos sociais do Montepio, o novo presidente disse que a porta do “gabinete no Montepio estará sempre aberta para quem queira assistir à gestão da associação mutualista”.

Francisco Rita, que iniciou os trabalhos no Montepio no dia 19 de maio, disse à imprensa que “a forma como fui recebido pelas pessoas da instituição não podia ter sido melhor”. No entanto, queixou-se do comportamento da estrutura oficial, da qual “não compareceu nenhum elemento da antiga administração para fazer a passagem de pastas e informação”. “Liguei, mas não obtive resposta e a partir daí tivemos que procurar os dossiês e papéis e chamar os técnicos para entrar e resolver as questões habituais e entrar no despacho habitual”, contou.

O novo responsável garante que a estrutura está a funcionar com os doentes a serem tratados e os novos órgãos da instituição “estão com esperança e vontade de fazer com que o Montepio volte a ser uma grande casa”.

Revelou que reuniram no dia 21 de maio com a empresa BDO, que faz a auditoria e consultoria do Montepio para esclarecer a questão das contas. “Eles informaram-nos que não têm ainda as contas encerradas, faltam ainda alguns documentos, nomeadamente o orçamento”, informou, esclarecendo que terá que ser o novo conselho de administração a “apresentar o orçamento para 2021”. “Já passou meio ano, mas vamos contornar os inconvenientes e estamos já a trabalhar para o orçamento”, relatou.

Segundo Francisco Rita, os auditores tranquilizaram os novos elementos sobre as contas, “revelando que não havia nenhum problema relevante que pusesse em causa o funcionamento da estrutura ou que levantasse qualquer suspeita” e que iriam agora proceder ao “relatório completo do desenvolvimento da atividade e organização interna”.

Vai ser marcada uma assembleia geral para aprovação das contas.

Quanto ao facto dos órgãos da Mesa da Assembleia Geral e do Conselho de Administração terem tomado posse na assembleia geral de 14 de maio, a seguir à contagem dos votos, Francisco Rita explicou que a decisão foi do presidente da Assembleia Geral com o intuito de poderem iniciar os trabalhos. “A partir do momento que há uma eleição, neste caso como há um novo Conselho de Administração fica-se na dúvida quem tem legitimidade e as decisões do Montepio não podem esperar”, afirmou.

Órgãos Sociais do Montepio Rainha D. Leonor

Mesa da Assembleia Geral

Presidente – João Sá Nogueira

Secretário – Nuno Ribeiro

Secretário – António Lopes

Conselho Fiscal

Presidente – Sabrina Ribeiro

Secretário – Paulo Sousa

Relator – Maria Teresa Amaral

Conselho de Administração

Presidente – Francisco José Rita

Vogal – Paulo Ribeiro

Suplente – Filipe António e Rui da Bernarda

Conselho Geral

José Manuel Netas

Alberto Pereira

José Luís Ferreira

Jorge Sobral

António Hilário Ferreira

António Alves Dias

Luís Veludo Filipe

Tomás Ladeira Batista

Fernando Carlos Ferreira

Luiz Rolim Oliveira

Últimas Notícias

Equipa do Acrotramp vence Scalabis Cup

Decorreu nos dias 8, 9 e 10 de julho, a Scalabis Cup, competição Internacional de ginástica, no Pavilhão Desportivo Municipal de Santarém, reunindo cerca de 500 ginastas em representação de vários países. O Acrotramp Clube de Caldas esteve representado nesta competição com seis ginastas seniores de 1ª divisão e elite (três em duplo minitrampolim e três em tumbling).

Caldas da Rainha esteve em alerta mas DGS corrigiu números

A Direção-Geral da Saúde procedeu na passada segunda-feira a uma correção da incidência cumulativa a 14 dias por 100 mil habitantes nas Caldas da Rainha, para o período de 24 de junho a 7 de julho, o que retirou o concelho do estado de alerta em que havia sido colocado indevidamente por resolução do Conselho de Ministros na quinta-feira anterior.