emissão em direto

Torres Vedras contra novo hospital nas Caldas

A Assembleia Municipal de Torres Vedras aprovou por unanimidade, no último dia de novembro, uma moção de repúdio à posição do presidente da câmara das Caldas da Rainha ao defender a construção do novo hospital da região no seu concelho.

A Assembleia Municipal de Torres Vedras aprovou por unanimidade, no último dia de novembro, uma moção de repúdio à posição do presidente da câmara das Caldas da Rainha ao defender a construção do novo hospital da região no seu concelho.

Os deputados municipais de Torres Vedras criticaram “a iniciativa individual do presidente da Câmara das Caldas da Rainha de pressionar a ministra da Saúde, utilizando argumentos subjetivos que não colhem qualquer tipo de veracidade e muito menos justificados pela realidade”, lê-se na moção.

A Assembleia Municipal “reconheceu a importância do estudo que está a ser desenvolvido” e frisou que vai “respeitar as suas conclusões” quanto ao perfil assistencial e a localização “num ponto central”, tendo em conta a população servida da nova unidade hospitalar, e “aceitar os resultados do estudo”.

Segundo a agência Lusa, a Assembleia Municipal defendeu que “os argumentos aduzidos pelo presidente da Câmara das Caldas da Rainha revelam uma completa e total falta de conhecimento sobre a realidade demográfica, assistencial e territorial do Oeste e em particular sobre o concelho de Torres Vedras”.

Os deputados torrienses teceram críticas à “agenda política pessoal” do autarca caldense, Vitor Marques, “ao arrepio das posições e iniciativas assumidas da Comunidade Intermunicipal do Oeste”, considerando que “os oestinos e em particular a população de Torres Vedras não se reveem nem podem aceitar que, mais uma vez, alguns, por interesses particulares, coloquem em causa o interesse coletivo”.

A 11 de novembro, uma comitiva de autarcas de Caldas da Rainha, liderada por Vitor Marques, reuniu-se com a ministra da saúde, Marte Temido.

“Sobre a localização do novo hospital para a região Oeste, foi sublinhado pelos autarcas que Caldas detém todas as condições para acolher esta infraestrutura, pela centralidade e pelas condições que a cidade tem para receber e fixar os profissionais de saúde (médicos e enfermeiros) que venham a ser contratados”, referiu a Câmara das Caldas da Rainha na ocasião.

“Sendo Caldas o polo que, por razões geográficas, mais necessita de uma urgência médico-cirúrgica corretamente dimensionada, a melhor solução para os cuidados hospitalares seria a conjugação de um único hospital (nas Caldas da Rainha), complementado com clínicas de ambulatório noutros locais, por exemplo, Nazaré, Peniche e Torres Vedras”, foi defendido pela autarquia caldense.

Últimas Notícias

Funcionária acusada de desviar dinheiro de taxas moderadoras

O Ministério Público deduziu acusação contra uma mulher que exerceu funções no serviço de atendimento complementar da Nazaré, pertencente ao Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Oeste Norte, e que nesse âmbito está indiciada da prática de crimes de peculato e de recebimento indevido de vantagem.

Radiocomunicações de barcos fiscalizadas

A Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) levou a cabo no último trimestre de 2021 um conjunto de ações de fiscalização com a Polícia Marítima, numa zona compreendida entre os portos de Caminha e Peniche.

Uma semana com mais 5 mortes e mais 1172 casos ativos no Oeste

Os dados divulgados até à noite de 10 de fevereiro davam conta que no total, desde o início da pandemia, foram registados 831 óbitos (mais 5 em relação à semana passada) na região Oeste associados à Covid-19. O concelho de Torres Vedras era onde se verificava o maior número de falecimentos, que ascendem a 197 […]