emissão em direto

próximo programa

Ver programação completa

Agrupamento Escolas Rafael Bordalo Pinheiro

“Utilizar modelos digitais para tornar o ensino mais atraente”

Face às condições difíceis que foi necessário contornar devido à pandemia de Covid-19, o balanço da atividade do Agrupamento de Escolas Rafael Bordalo Pinheiro foi “positivo”, com o “espírito de entreajuda entre os docentes e entre os alunos, nomeadamente na área das novas tecnologias”, disse a diretora, Maria do Céu Santos.

Como noutros estabelecimentos de ensino, também este agrupamento foi levado ao limite, mas a responsável refere que superaram “as dificuldades que eram elevadas” e que, apesar de tudo, “a escola provou que está à altura para responder ao desafio da pandemia”.

“Alguns professores no primeiro confinamento fizeram formação na área de informática e também os docentes das tecnologias disponibilizaram para ajudar a fazer vídeos curtos e tutoriais”, contou. Houve, segundo a diretora, a nível das aulas, uma “resposta dos professores surpreendentemente boa”.

Um dos momentos mais difíceis para Maria do Céu Santos foi gerir o aumento de casos de Covid-19 no final do primeiro período deste ano letivo quando “tínhamos aquela indecisão das turmas devido a um aluno testar positivo”. “Quando os alunos vão todos para casa há um procedimento, mas quando há uma oscilação com alunos com aulas online e outros presenciais é muito difícil de gerir porque os professores se estão a dar aulas na escola não podem estar online”, contou.

“Imagem positiva da escola está consolidada”.

Maria do Céu Santos revelou que já estão a preparar o próximo ano letivo e que a grande aposta vai ser na flexibilização curricular, “com o objetivo de alcançar o sucesso pleno dos alunos”. Um dos projetos pedagógicos inovadores é nas “tecnologias digitais”, de forma a “tornar o ensino mais atraente”. Têm já projetos novos, por exemplo, na área da realidade aumentada e realidade virtual. “Pode ser o impulso necessário para tornar as práticas mais motivadoras”, afirmou a responsável, acrescentando que “o intuito é diminuir a taxa de retenção dos alunos”. “O grande desafio do professor atual é pensar como vai dar a aula”, apontou.

Maria do Céu Santos disse ao JORNAL DAS CALDAS que no próximo ano já não se vai recandidatar a diretora do agrupamento. Considera que oito anos foram o suficiente para o projeto que desenvolveu. “O meu principal objetivo quando tomei posse era mudar a imagem da escola, com os mesmos professores e os mesmos funcionários”, sublinhou, apontando que no ano letivo 2014/2015 passou a haver uma maior percentagem de alunos a querer frequentar a escola e “a partir do ano letivo 206/2017 tivemos que excluir estudantes por estarmos sobrelotados”.

Maria do Céu Santos considera-se uma pessoa de “projetos, grandes desafios e de querer fazer a diferença.” Por isso, os seus primeiros anos “foram os mais esgotantes, mais stressantes, mas também os mais interessantes”, sustentando que “a imagem positiva da escola está consolidada”.

Últimas Notícias

Equipa do Acrotramp vence Scalabis Cup

Decorreu nos dias 8, 9 e 10 de julho, a Scalabis Cup, competição Internacional de ginástica, no Pavilhão Desportivo Municipal de Santarém, reunindo cerca de 500 ginastas em representação de vários países. O Acrotramp Clube de Caldas esteve representado nesta competição com seis ginastas seniores de 1ª divisão e elite (três em duplo minitrampolim e três em tumbling).

Caldas da Rainha esteve em alerta mas DGS corrigiu números

A Direção-Geral da Saúde procedeu na passada segunda-feira a uma correção da incidência cumulativa a 14 dias por 100 mil habitantes nas Caldas da Rainha, para o período de 24 de junho a 7 de julho, o que retirou o concelho do estado de alerta em que havia sido colocado indevidamente por resolução do Conselho de Ministros na quinta-feira anterior.