emissão em direto

Alunos de pastelaria criam sobremesas inspiradas em livros e músicas 

A Escola de Hotelaria e Turismo do Oeste (EHTO) foi palco, nos dias 24 e 25 de janeiro, da 2ª edição do Concurso Nacional de Pastelaria Literária, organizado pela turma de Gestão e Produção de Pastelaria, com a coordenação do chefe Bruno Marques.

Nesta 2ª edição do concurso cada concorrente teve de criar a sua pastelaria inspirada num livro ou numa música à sua escolha.

Os onze participantes, divididos em duas categorias, confecionaram sobremesas inspiradas em literatura e música.

O vencedor na categoria de literatura foi Diogo Alexandre, da Escola de Hotelaria e Turismo do Algarve, que chamou o seu doce “A Tormenta Sensorial”, inspirado no livro “Os Lusíadas”, de Luís de Camões.

O 2º lugar foi para Taynara Miranda, da Escola de Serviço e Comércio do Oeste, que fez a sua sobremesa baseada na obra “Alice no País das Maravilhas”, de Lewis Carroll. O seu doce teve o mesmo nome do livro.

Em 3º lugar ficou Gustavo Costa, da Escola Profissional da Moita, com o doce “Apple´s Mystical Crispy”, inspirado no livro “Branca de Neve”, de Jakob e Wilhelm Grimm.

O vencedor na categoria de música foi Letícia Tavares, da Escola Profissional de Penafirme, que intitulou a sua sobremesa “Nuvem de Lembranças”, inspirada na canção de Carolina Deslandes, “A Nuvem”.

Vítor Nunes, da EHTO, que chamou ao seu doce “Sabores do Mundo”, baseado na música “A Terra Gira”, dos Quatro e Meia, ficou em 2º lugar. 

O 3º lugar foi para Guilherme Pereira, da Escola de Serviço e Comércio do Oeste, com a sobremesa “Quatro Estações”, inspirada no tema “As Quatro Estações”, de Vivaldi.

Diogo Alexandre foi ainda o vencedor do prémio Kenwood, atribuído ao concorrente com maior pontuação.

Concurso contempla storytelling

Ivânia Oliveira, aluna e porta-voz da Turma de Gestão e Produção de Pastelaria (3°Semestre), composta por 16 alunos, disse que este ano houve 30 inscrições no concurso literário. Entre os inscritos houve uma seleção, onde foram escolhidos seis concorrentes da categoria de música e seis concorrentes na categoria de literatura.

O concurso foi composto pela confeção da sobremesa e a seguir os alunos tiveram que apresentá-la aos jurados com um momento de storytelling.

Quanto aos vários critérios de avaliação, contaram “a apresentação, as técnicas, o sabor, o desperdício e a sustentabilidade”, explicou Ivânia Oliveira acrescentando que a apresentação aos jurados é um critério importante da avaliação porque têm que “explicar a inspiração do prato e os componentes da sobremesa”.

O prémio para o melhor aluno entre as duas categorias ganhou uma batedeira Chef Titanium, da Kenwood.

Os restantes prémios para os vencedores são um voucher de formação no curso de Escanção ou Padaria Avançada na EHTO, um showcooking no Folio de 2024, kit de facas da Icel, voucher de compras e kit de pastelaria (Mapridec).

A adicionar a essa lista está um Voucher Spa Termal Caldas da Rainha, dado a todos os vencedores pela Câmara Municipal das Caldas da Rainha.

Segundo a porta-voz da turma, o “prestigio que vão ter é o prémio mais importante para eles, uma vez que conseguiram pegar num livro ou numa música e transpô-la para a criação de uma sobremesa”.

Concurso pretende incentivar a inovação

O Concurso Nacional de Pastelaria Literária pretende incentivar a criatividade, inovação e o hábito da leitura nos concorrentes”, explicou o formador e coordenador da iniciativa.

“O concurso foi pensado e desenhado de alunos para alunos, ou seja, este é o projeto final da turma de Gestão e Produção de Pastelaria”, adiantou o chefe Bruno Marques revelando que a primeira edição estava só ligada à literatura. Este ano foi adicionada a música e isso fez com que “conseguíssemos mais inscrições em relação ao ano passado e acabou por atrair um público um pouco mais jovem, que já não está tão ligado à parte literária, e acho que beneficiou bastante o concurso”, referiu o responsável.

Segundo o formador, este concurso nasce do módulo sobre desenvolvimento de produtos gastronómicos que “serve neste curso de produção de pastelaria para colocar os alunos a experimentar coisas novas e a inovar”. 

“Eles trabalham muito bem a parte técnica na escola e focamos bastante em conseguir que eles sejam os melhores pasteleiros do mundo e o facto de ser a turma a organizar este concurso acaba por ser um grande desafio, porque muito mais do que criar um prato, é criar um evento à volta da gastronomia”, adiantou.  

Segundo o chefe Bruno Marques, estão no fim do curso e vão sair “muito mais capacitados para lidar com as equipas no mercado de trabalho”.

O formador destacou que as sobremesas criadas no concurso foram bastante inovadoras. “Estamos muito focados naquilo que se passa dentro do nosso estabelecimento de ensino e não sabemos o que se passa nas outras escolas, tanto do Turismo de Portugal como profissionais, e este concurso tem surpreendido”, contou.

“Existem escolas profissionais e do Turismo de Portugal que estão a fazer excelentes trabalhos a nível de pastelaria e de cozinha e é bom ver que há jovens com dezassete ou dezoito anos que além de potencial e técnica de trabalho têm espírito criativo e vão conseguir vingar nesta área”, salientou.

Para o coordenador do concurso, é “muito bom haver futuros chefes qualificados porque ainda existe crise, com falta de recursos humanos na área da hotelaria e restauração”, acrescentou.

Hugo Sutil, account manager da Europastry, da área da padaria e pastelaria, foi uma das empresas patrocinadoras deste concurso. “Este ano vimos com o intuito de tentar encontrar aqui uma nova mente que precisamos no nosso desenvolvimento da empresa”, revelou. “Estamos na EHTO também para apostar no futuro, porque estes vão ser os futuros chefes e os nossos futuros clientes”, indicou.

Participaram também no Concurso Nacional de Pastelaria Literária, Débora Neves, do Agrupamento de Escolas Fernão do Pó, Guilherme Lopes, da Escola de Hotelaria e Turismo de Setúbal, João Rosendo, da Escola de Serviço e Comércio do Oeste, Rodrigo Leonardo, da Escola de Serviço e Comércio do Oeste, e Rui Pires, da Escola Profissional de Alto Douro.

pastelaria 2
Vencedores da categoria de música
pastelaria 3
Vencedores da categoria de literatura

Últimas Notícias

“Palestina Livre” juntou dezenas de caldenses

Dezenas de pessoas participaram numa vigília pela situação que se vive na Palestina, ao princípio da noite de 3 de fevereiro, depois de se terem reunido na Casa dos Barcos, no Parque D. Carlos I, para discutir o tema.

Preço médio da venda de casas nas Caldas aumentou 25.000€ em janeiro

O portal imobiliário Imovirtual divulgou nesta segunda-feira o seu barómetro relativo à evolução dos preços médios anunciados de arrendamento e venda no distrito de Leiria, fazendo uma comparação entre janeiro com o mês de dezembro. Nas Caldas da Rainha vender ficou mais caro, passando dos 300.000€ para os 325.000€ e arrendar ficou ligeiramente mais barato, passando de 950€ para 900€.