emissão em direto

Lotação esgotada com Sérgio Godinho para assinalar o 16 de Março

Um dos pontos altos das comemorações dos 50 anos do 16 de março foi o concerto com lotação esgotada de Sérgio Godinho, que apresentou no passado sábado à noite, no grande auditório do Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha, o espetáculo “Liberdade25”.

Foi um espetáculo de quase duas horas organizado pelo Centro Cultural e de Congressos e pela Câmara Municipal das Caldas da Rainha. Sérgio Godinho subiu ao palco acompanhado pelos Assessores, banda que o acompanha há alguns anos composta pelos músicos Rafael, Miguel Fevereiro, João Cardoso, Nuno Espírito Santo e Sérgio Nascimento.

Foi a celebração de uma carreira de mais de 50 anos com “coisas novas” e o regresso de canções antigas que foram cantadas pelo público.

Neste espetáculo “renovado” sobressaiu a canção “Liberdade”, composta para o álbum “À Queima Roupa”, de 1974.

“Quando o 25 de Abril fez 40 anos fizemos um espetáculo de um disco ao vivo chamado ‘Liberdade” e agora fizemos ‘Liberdade25”, uma referência ao 50º aniversário da Revolução dos Cravos”, disse Sérgio Godinho à imprensa antes do concerto.

“É um espetáculo que tem todos os aspetos da vida como eu gosto de misturar”, contou o músico, que não consegue arranjar uma “etiqueta” para ele e nem quer. “Gosto de misturar géneros como o amor com a política e eu próprio vivo assim”, relatou.

“Liberdade”, garante Sérgio Godinho, continua a ser a mais poderosa das palavras.  “Não interessa o momento político que se vive, ela existe na mesma”, salientou, considerando que últimos atos eleitorais foram “algo estranho, com a mudança da preponderância da extrema-direita”.

O músico afirmou que as suas canções “falam de tudo e são muito abrangentes a nível de temáticas”. “Podem ser mais pessoais ou ter a criação de personagens realistas, algumas delas com teor social ou político”, contou.

Segundo Sérgio Godinho, a música “Liberdade” diz que esta tem de ser posta em prática, mas também vivida quotidianamente. “A própria canção aborda a necessidade de condições básicas para uma vida digna, como a paz, saúde e educação, e agora podia-se juntar a justiça, que está na ordem do dia e que se tem tropeçado nela própria e até acabou por provocar a queda do Governo”, sustentou, adiantando que “a preponderância da justiça no poder é um perigo”.

Sobre o 16 de Março, o compositor manifestou que “éde facto uma data importante, visto que é o prenunciador do que viria a acontecer no 25 de Abril”.

Recordou que partiu de Portugal com 20 anos, recusando assim fazer a guerra colonial. Viveu durante nove anos em Geneva, Paris e Vancouver. O seu primeiro LP, “Os Sobreviventes”, foi gravado em França, em 1971, com músicos franceses e a colaboração de alguns portugueses então radicados em França. Gravou também no exílio o álbum “Pré-Histórias”. Estes dois discos, premiados pela Casa da Imprensa, foram proibidos pela censura de então. Regressou a Portugal após a revolução.

Últimas Notícias

EB de St.º Onofre convida população a participar numa Flash Mob

No âmbito das comemorações dos 30 anos da EB de St.º Onofre do Agrupamento de Escolas Raul Proença, vai ser realizada uma iniciativa de mobilização pela turma H do 5.º ano, no âmbito de um projeto interdisciplinar envolvendo as disciplinas de Cidadania e Desenvolvimento, Inglês, Educação Musical e Educação Física.

Bombeiros não querem ser associados a elemento participante em “reality show”

Os Bombeiros Voluntários do Bombarral emitiram um comunicado, assinado pelo comandante, Pedro Lourenço, e pelo presidente da associação humanitária, Vítor Garcia, em que repudiam ser associados a atitudes por parte de um dos seus elementos, Tiago Rodrigues, que esteve a participar no programa “Era uma vez na Quinta”, transmitido na SIC.