emissão em direto

Ministério Público acusou homem por 14 crimes de incêndio

O Ministério Público (MP) acusou um homem por 14 crimes de incêndio ocorridos no verão do ano passado, a maioria dos quais na Serra do Montejunto, no concelho do Cadaval, segundo a acusação a que a agência Lusa teve acesso.

O Ministério Público (MP) acusou um homem por 14 crimes de incêndio ocorridos no verão do ano passado, a maioria dos quais na Serra do Montejunto, no concelho do Cadaval, segundo a acusação a que a agência Lusa teve acesso.

O homem, de 31 anos, utilizou artefactos preparados para retardarem a ignição, descreve a acusação do MP.

“O arguido planeou de tal forma a ignição do fogo”, que sabia que “já não se encontraria no local” quando o incêndio deflagrasse, refere o MP.

O trabalhador da construção civil ateava os fogos nas deslocações entre os locais de residência, no Cercal, e de trabalho, em Alguber, localidades situadas no mesmo concelho.

O arguido está acusado de 14 crimes de incêndio, por fogos postos nos dias 26 de julho, em Outeiro da Cabeça (Torres Vedras), 27 e 28 de julho, no Peral (Cadaval), 31 de julho em Figueiros e Alguber (Cadaval), 4 de agosto em Alguber, 5 de agosto num eucaliptal junto à Estrada Nacional 366, no Cadaval, 7 de agosto em Casal Caniço e Cercal (Cadaval), 11 e 12 de agosto na Sobrena (Cadaval) e 16 de agosto em Alguber.

“Os incêndios provocados pelo arguido colocaram em perigo mato, armazéns e habitações próximas, a si alheios, de valor não concretamente apurado, os quais apenas não foram consumidos pelo fogo devido à rápida intervenção dos bombeiros e populares”, explica o MP.

Os fogos de cuja autoria está acusado fizeram arder uma área total de sete hectares, correspondentes em alguns casos a povoamento florestal.

O MP não provou a mesma autoria nos incêndios de 3 de agosto, na Póvoa (Cadaval), com 146 operacionais, 44 veículos e seis meios aéreos, e a 12 de julho na Espinheira, no limite do Cadaval mas já no concelho de Azambuja, o qual só foi dominado ao fim de nove horas de combate, tendo envolvido mais de meio milhar de bombeiros, centena e meia de veículos e 13 meios aéreos.

Nos dois incêndios, arderam 402 hectares, disse na altura o comandante sub-regional do Oeste, Carlos Silva, à agência Lusa.

Segundo a acusação, o homem está ainda acusado de onze crimes de condução sem habilitação legal.

O arguido, sem antecedentes criminais, veio a ser detido pela Polícia Judiciária em 16 de agosto, quando circulava no seu veículo, no interior do qual foram encontrados materiais usados na construção dos artefactos.

O homem encontra-se em prisão preventiva no Estabelecimento Prisional de Lisboa a aguardar julgamento.

Na altura da detenção, o diretor da Diretoria de Lisboa e Vale do Tejo da PJ, João Oliveira, explicou que o suspeito estava a ser “investigado há vários meses” e que foi detido em flagrante delito.

Segundo a mesma fonte, o arguido “agia sem quaisquer interesses económicos e apenas por “motivos de natureza fútil”, que apelidou de “mitomania”.

Últimas Notícias

EB de St.º Onofre convida população a participar numa Flash Mob

No âmbito das comemorações dos 30 anos da EB de St.º Onofre do Agrupamento de Escolas Raul Proença, vai ser realizada uma iniciativa de mobilização pela turma H do 5.º ano, no âmbito de um projeto interdisciplinar envolvendo as disciplinas de Cidadania e Desenvolvimento, Inglês, Educação Musical e Educação Física.

Bombeiros não querem ser associados a elemento participante em “reality show”

Os Bombeiros Voluntários do Bombarral emitiram um comunicado, assinado pelo comandante, Pedro Lourenço, e pelo presidente da associação humanitária, Vítor Garcia, em que repudiam ser associados a atitudes por parte de um dos seus elementos, Tiago Rodrigues, que esteve a participar no programa “Era uma vez na Quinta”, transmitido na SIC.