emissão em direto

Movimento de cidadãos contesta linhas de muito alta tensão próximas de habitações

Um grupo de moradores nas freguesias da Benedita e de Turquel constituiu um movimento cívico que contesta a existência de linhas de muito alta tensão próximas de habitações, fábricas e escolas. Diz haver uma relação entre problemas de saúde e radiações electromagnéticas emitidas.

Um grupo de moradores nas freguesias da Benedita e de Turquel constituiu um movimento cívico que contesta a existência de linhas de muito alta tensão próximas de habitações, fábricas e escolas. Diz haver uma relação entre problemas de saúde e radiações electromagnéticas emitidas.

Nas freguesias de Turquel e Benedita existem várias torres que transportam linhas de muito alta tensão, tendo na proximidade zonas habitadas. O tema é controverso e alguns moradores sustentam existir um risco acrescido de contração de doenças cancerígenas.

“O meu sogro morreu de cancro por causa disso. Vivemos debaixo destas linhas quando há a serra [dos Candeeiros] toda disponível para meter estas coisas que fazem mal às pessoas”, manifestou Gonçalo Ribeiro, morador na Charneca do Casal do Guerra.

Em causa estão linhas que desde a década de 1970 atravessam várias aldeias. O protesto surge numa altura em que, segundo o movimento Lesados-Linhas de Muito Alta Tensão, está a ser feita uma intervenção na rede para substituir postes antigos por outros mais elevados, pelo que faria sentido que fossem deslocados para longe de habitações.

Num comunicado às populações, o movimento vincou que “temos no terreno novas fundações, novas sapatas, novos postes (ainda em armação), mais largos, mais compridos, mais altos, mais robustos (temos informação verbal de que suportam o dobro do vão dos anteriores) e cabos, agora em muito alta tensão”.

“Para quando um corredor único para a electricidade, na encosta da Serra dos Candeeiros, a distância segura do lar mais próximo?”, questionou.

Lino Henriques, porta-voz do movimento, afirmou que “vai ficar uma lixeira tóxica por cima das nossas casas e propriedades”.

Além das questões de saúde pública, é apontada a desvalorização das casas e o risco de esvaziamento dos lugares. “Ninguém no seu perfeito juízo vai querer morar debaixo ou nas proximidades destas linhas”, sublinhou.

O movimento tem vindo a realizar protestos para sensibilizar a opinião pública para o problema. Num deles, na Benedita, na passada sexta-feira, houve quem se vestisse de noiva, para passar a mensagem de que o futuro está comprometido.

“É no casamento que começa a constituição de uma família. Se na minha geração já houve tumores e cancros, na geração dos meus filhos vai ser pior ainda”, alegou Natália Silva, do movimento, que promete continuar a lutar e a manifestar o seu descontentamento, à espera de respostas de várias entidades.

Últimas Notícias

EB de St.º Onofre convida população a participar numa Flash Mob

No âmbito das comemorações dos 30 anos da EB de St.º Onofre do Agrupamento de Escolas Raul Proença, vai ser realizada uma iniciativa de mobilização pela turma H do 5.º ano, no âmbito de um projeto interdisciplinar envolvendo as disciplinas de Cidadania e Desenvolvimento, Inglês, Educação Musical e Educação Física.

Bombeiros não querem ser associados a elemento participante em “reality show”

Os Bombeiros Voluntários do Bombarral emitiram um comunicado, assinado pelo comandante, Pedro Lourenço, e pelo presidente da associação humanitária, Vítor Garcia, em que repudiam ser associados a atitudes por parte de um dos seus elementos, Tiago Rodrigues, que esteve a participar no programa “Era uma vez na Quinta”, transmitido na SIC.