emissão em direto

Fábrica de conservas condenada por discriminação salarial entre trabalhadores

A maior fábrica de conservas de peixe de Peniche, a European Seafood Investiment Portugal (ESIP), do grupo multinacional tailandês Thai Union, foi condenada em tribunal por discriminação salarial entre trabalhadores.

A maior fábrica de conservas de peixe de Peniche, a European Seafood Investiment Portugal (ESIP), do grupo multinacional tailandês Thai Union, foi condenada em tribunal por discriminação salarial entre trabalhadores.

Segundo a agência Lusa, o tribunal condenou a ESIP a reconhecer a categoria profissional de uma trabalhadora, a pagar-lhe o salário adequado e uma indemnização até 22.753 euros, acrescida de juros, pela diferença entre o que recebeu e o que deveria ter recebido entre 2001 e 2017.

Na sentença da primeira instância, datada de junho de 2022, o juiz deu como provado que a trabalhadora e outra colega exerciam as mesmas funções no departamento de controlo de qualidade na linha de produção, mas auferiam salários diferentes.

O Tribunal de Trabalho das Caldas da Rainha deu igualmente como provado que o Contrato Coletivo de Trabalho não definia a categoria profissional, nem os seus diferentes níveis ou remuneração, depois de a empresa se ter reestruturado.

Já a empresa não conseguiu provar a existência de diferentes níveis da categoria profissional, nem quais as condições e requisitos para os trabalhadores ascenderem a cada um deles. Também não apresentou os motivos pelos quais pagava salários diferentes a trabalhadores da mesma categoria.

“É injustificada a diferença salarial, por ser injustificada a diferença de classificação na categoria profissional de uma e de outra”, concluiu o tribunal.

Já na decisão do Tribunal da Relação de Coimbra lê-se que “se a antiguidade e habilitações poderiam constituir um critério objetivo justificativo da diferenciação salarial, certo é que, da matéria de facto apurada, não resulta que foram aquelas que sustentaram tal diferenciação de forma fundada e compreensível”.

A empresa “violou o princípio constitucional de que para trabalho igual, salário igual”, determinou o Tribunal da Relação de Coimbra, mantendo a decisão do Tribunal de Trabalho das Caldas da Rainha.

A decisão transitou em julgado no dia 10 de janeiro, depois de o Supremo Tribunal de Justiça não ter aceite o recurso da empresa.

Questionado pela Lusa, o diretor da fábrica, João Santos, afirmou que a empresa “vai acatar as decisões do tribunal”, assegurando tratar-se de “um caso pontual”, mas admitiu analisar outros eventuais casos de diferença salarial na mesma categoria e “corrigi-los”.

Por sua vez, Mariana Rocha, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura e das Indústrias da Alimentação, Bebidas e Tabacos de Portugal (SINTAB), adiantou que existem outros casos de discriminação salarial na fábrica.

Segundo a dirigente do SINTAB, que é também delegada sindical na empresa, nem as qualificações, nem a antiguidade são consideradas pela empresa para aquelas tarefas.

A ESIP é a quarta maior exportadora do distrito de Leiria. Tem mais de 850 trabalhadores e um volume de negócios anual na ordem dos 84 milhões de euros.

Últimas Notícias

EB de St.º Onofre convida população a participar numa Flash Mob

No âmbito das comemorações dos 30 anos da EB de St.º Onofre do Agrupamento de Escolas Raul Proença, vai ser realizada uma iniciativa de mobilização pela turma H do 5.º ano, no âmbito de um projeto interdisciplinar envolvendo as disciplinas de Cidadania e Desenvolvimento, Inglês, Educação Musical e Educação Física.

Bombeiros não querem ser associados a elemento participante em “reality show”

Os Bombeiros Voluntários do Bombarral emitiram um comunicado, assinado pelo comandante, Pedro Lourenço, e pelo presidente da associação humanitária, Vítor Garcia, em que repudiam ser associados a atitudes por parte de um dos seus elementos, Tiago Rodrigues, que esteve a participar no programa “Era uma vez na Quinta”, transmitido na SIC.