emissão em direto

Professores em S. Martinho do Porto pedem “respeito e dignidade pela profissão”

Na passada terça-feira foi a vez dos professores do Agrupamento de Escolas de São Martinho do Porto estarem em greve, em frente à escola sede. Com faixas pretas na mão, os docentes gritavam “basta de desvalorização, os professores exigem respeito”. Às primeiras horas do dia, o grupo de docentes, que se associou à greve distrital […]

Na passada terça-feira foi a vez dos professores do Agrupamento de Escolas de São Martinho do Porto estarem em greve, em frente à escola sede. Com faixas pretas na mão, os docentes gritavam “basta de desvalorização, os professores exigem respeito”.

Às primeiras horas do dia, o grupo de docentes, que se associou à greve distrital que decorreu em Coimbra (porque a greve distrital em Leiria coincide com as avaliações dos alunos), concentrou-se à porta do estabelecimento de ensino para “pedir exatamente o que pedem todos os professores neste país, respeito e dignidade pela profissão”, explicou Alda Almeida, professora de história há mais de 30 anos.

A par disso foi solicitado que “seja descongelado o tempo que tivemos congelado, que foram mais de 14 anos, que haja finalmente o fim às quotas de acesso ao quinto e sétimo escalão, e ainda que nos seja devolvido tudo aquilo que nos tiraram”. Também exigem que a atividade “seja vista como uma profissão digna”.

Voltaram a reclamar por melhores condições de trabalho para os colegas, que “dão aulas em péssimas escolas”, “mais valorização” e por “uma vida correspondente à nossa função na sociedade”, pois “quem ensina a voar, não pode passar a vida a rastejar”, frisou a docente, adiantando que “é exatamente isso que nós temos andado a fazer nestas últimas décadas”. 

Outras das questões criticadas foi “a precariedade dos salários”, havendo o caso de diversos docentes do agrupamento, que se dividem entre a cidade onde vivem e a escola onde lecionam.

“Na escola existem casos de professores que chegam a gastar mais de 600 euros mensais em combustível para vir trabalhar”, sublinhou a docente, adiantando que “esta é uma carreira onde os professores trabalham por amor à camisola e não conseguimos parar de ensinar, mesmo quando somos mal pagos”. Mas enquanto isso não acontece, a docente garante que a classe não vai ficar parada, pois “não podemos parar, nem nos podem calar ou silenciar”.

Para a professora, “é fundamental que todas as pessoas deste país percebam aquilo que tem sido feito aos professores nas últimas décadas, onde fomos considerados muitas vezes como o mal da nação”. Portanto, “estamos cansados de lutar e de pedir para que olhem para nós com outros olhos e que nos vejam de outra maneira”.

Últimas Notícias

Massagem de flores da mata Rainha D. Leonor

Termas abrem época com novidades A época termal na vertente terapêutica da ala sul do Hospital Termal das Caldas da Rainha vai reabrir a 1 de fevereiro com muitas novidades a nível do bem-estar. O lançamento de banhos de rituais de cacau e menta, a massagem de flores da mata Rainha Dona Leonor e rituais […]

Lions formaliza entrega de verba de espetáculo solidário

O Lions Clube das Caldas da Rainha fez no passado dia 30 uma entrega formal ao Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Oeste (CHO) da verba apurada no concerto solidário com o maestro e pianista António Victorino d’Almeida e trio de Pedro Caldeira Cabral. Recorde-se que o espetáculo decorreu no dia 8 de outubro […]

Desfile equestre apresentou reis do carnaval das Caldas

Luís Ventura, de 47 anos, e Mariana Mortágua, de 22 anos, foram escolhidos para serem os reis do carnaval das Caldas da Rainha, encarnando as personagens Zé Povinho e Maria da Paciência, respetivamente, criações de Rafael Bordalo Pinheiro como caricaturas do povo português.

V Jornadas SIPO Júnior

Entre os dias 12 a 15 de abril decorre a 5ª edição das Jornadas da Semana Internacional de Piano de Óbidos (SIPO) Júnior, no Auditório Municipal de Óbidos, com master classes de piano, seminário de improvisação, concertos comentados e uma audição final dos participantes. As jornadas, que contam com o apoio da Câmara Municipal de […]