emissão em direto

Professores em S. Martinho do Porto pedem “respeito e dignidade pela profissão”

Na passada terça-feira foi a vez dos professores do Agrupamento de Escolas de São Martinho do Porto estarem em greve, em frente à escola sede. Com faixas pretas na mão, os docentes gritavam “basta de desvalorização, os professores exigem respeito”. Às primeiras horas do dia, o grupo de docentes, que se associou à greve distrital […]

Na passada terça-feira foi a vez dos professores do Agrupamento de Escolas de São Martinho do Porto estarem em greve, em frente à escola sede. Com faixas pretas na mão, os docentes gritavam “basta de desvalorização, os professores exigem respeito”.

Às primeiras horas do dia, o grupo de docentes, que se associou à greve distrital que decorreu em Coimbra (porque a greve distrital em Leiria coincide com as avaliações dos alunos), concentrou-se à porta do estabelecimento de ensino para “pedir exatamente o que pedem todos os professores neste país, respeito e dignidade pela profissão”, explicou Alda Almeida, professora de história há mais de 30 anos.

A par disso foi solicitado que “seja descongelado o tempo que tivemos congelado, que foram mais de 14 anos, que haja finalmente o fim às quotas de acesso ao quinto e sétimo escalão, e ainda que nos seja devolvido tudo aquilo que nos tiraram”. Também exigem que a atividade “seja vista como uma profissão digna”.

Voltaram a reclamar por melhores condições de trabalho para os colegas, que “dão aulas em péssimas escolas”, “mais valorização” e por “uma vida correspondente à nossa função na sociedade”, pois “quem ensina a voar, não pode passar a vida a rastejar”, frisou a docente, adiantando que “é exatamente isso que nós temos andado a fazer nestas últimas décadas”. 

Outras das questões criticadas foi “a precariedade dos salários”, havendo o caso de diversos docentes do agrupamento, que se dividem entre a cidade onde vivem e a escola onde lecionam.

“Na escola existem casos de professores que chegam a gastar mais de 600 euros mensais em combustível para vir trabalhar”, sublinhou a docente, adiantando que “esta é uma carreira onde os professores trabalham por amor à camisola e não conseguimos parar de ensinar, mesmo quando somos mal pagos”. Mas enquanto isso não acontece, a docente garante que a classe não vai ficar parada, pois “não podemos parar, nem nos podem calar ou silenciar”.

Para a professora, “é fundamental que todas as pessoas deste país percebam aquilo que tem sido feito aos professores nas últimas décadas, onde fomos considerados muitas vezes como o mal da nação”. Portanto, “estamos cansados de lutar e de pedir para que olhem para nós com outros olhos e que nos vejam de outra maneira”.

Últimas Notícias

Preço médio da venda de casas nas Caldas aumentou 25.000€ em janeiro

O portal imobiliário Imovirtual divulgou nesta segunda-feira o seu barómetro relativo à evolução dos preços médios anunciados de arrendamento e venda no distrito de Leiria, fazendo uma comparação entre janeiro com o mês de dezembro. Nas Caldas da Rainha vender ficou mais caro, passando dos 300.000€ para os 325.000€ e arrendar ficou ligeiramente mais barato, passando de 950€ para 900€.

“Hawai de Alfeizerão” é investimento em campismo com charme

O conceito de acampar com elegância e charme vai ser explorado em breve em Alfeizerão, com a criação de um Parque de Glamping, Eco Resort e Parque de Autocaravanas intitulado “Hawai de Alfeizerão”, em construção no Casal da Ponte, num investimento que rondará entre 150 a 200 mil euros da Junta de Freguesia, com o apoio da Câmara Municipal de Alcobaça.

Secretário de Estado visitou Pousada da Juventude de Alfeizerão

No âmbito da iniciativa “ANDA (Conhecer Portugal)”, o Secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Correia, visitou a 5 de fevereiro a Pousada da Juventude de Alfeizerão e pôde testemunhar as suas boas condições de manutenção e gestão.

Movimento Viver o Concelho divulga atividades para este ano

A Associação Movimento Viver o Concelho (MVC), das Caldas da Rainha, divulgou o plano de atividades para 2024, anunciando que tem a sua equipa reforçada, novos projetos e “muita vontade de continuar a fazer um bom trabalho na comunidade”, manifestou Teresa Serrenho, responsável desta instituição.