emissão em direto

Atrasos nas obras na Linha do Oeste motivam críticas

A Comissão Para a Defesa da Linha do Oeste (CPDLO) considera "inaceitável” existir “atraso” na abertura do concurso para o projeto de modernização e eletrificação da Linha do Oeste, no troço entre as Caldas da Rainha e o Louriçal, no concelho de Pombal.

A Comissão Para a Defesa da Linha do Oeste (CPDLO) considera “inaceitável” existir “atraso” na abertura do concurso para o projeto de modernização e eletrificação da Linha do Oeste, no troço entre as Caldas da Rainha e o Louriçal, no concelho de Pombal.

Recordando que foi prometido pelo Governo e pela Infraestruturas de Portugal (IP), em junho do ano passado, que “era uma questão de semanas, que tinham toda a documentação preparada para o lançamento do concurso e que vinha aí a inclusão da Linha do Oeste na rede transeuropeia de transporte”, Rui Raposo, porta-voz da comissão, manifestou que “tudo está na mesma”.

“Não há concurso aberto e, muito menos, linha modernizada e eletrificada, verificando-se atrasos em cima de atrasos, promessas em cima de promessas, atirando cada vez para mais tarde a modernização e a eletrificação de toda a Linha do Oeste, com todos os prejuízos que daí decorrem”, afirmou.

Rui Raposo alertou ainda para a lentidão das obras no troço Meleças/Caldas da Rainha, para as quais o secretário de Estado das Infraestruturas prometeu conclusão até junho. “A CPDLO tem sérias dúvidas que a modernização e electrificação estejam prontas no primeiro semestre deste ano, a avaliar pelo que falta fazer e pelo ritmo a que prosseguem as obras”, vincou. “Não irá ser possível se o ritmo das obras não aumentar significativamente”, expressou Rui Raposo.

As avarias das automotoras espanholas, que estão a garantir o serviço na Linha do Oeste, e os atrasos nas ligações, também se tendem a multiplicar, relatou o porta-voz, alertando que enquanto as obras não estiverem feitas irá manter-se “um mau serviço para utentes, mais lento e menor cadência de horários” nas ligações ferroviárias que passam por Caldas da Rainha.

Acrescentou também que “significa não ter ligação à Linha de Alta Velocidade, em Leiria, quando a mesma estiver pronta”.

As obras públicas “não podem ter os prazos de conclusão sucessivamente adiados” porque “no plano financeiro estas derrapagens representam revisões de preços sempre em favor dos empreiteiros” e, “no plano social, as populações ficam impedidas de beneficiar dos projetos executados”.

Além disso, concluiu, é necessário “apressar o fabrico das novas composições destinadas à Linha do Oeste para garantir um serviço público de transporte de qualidade e que vá ao encontro das necessidades das populações”.

Últimas Notícias

Preço médio da venda de casas nas Caldas aumentou 25.000€ em janeiro

O portal imobiliário Imovirtual divulgou nesta segunda-feira o seu barómetro relativo à evolução dos preços médios anunciados de arrendamento e venda no distrito de Leiria, fazendo uma comparação entre janeiro com o mês de dezembro. Nas Caldas da Rainha vender ficou mais caro, passando dos 300.000€ para os 325.000€ e arrendar ficou ligeiramente mais barato, passando de 950€ para 900€.

“Hawai de Alfeizerão” é investimento em campismo com charme

O conceito de acampar com elegância e charme vai ser explorado em breve em Alfeizerão, com a criação de um Parque de Glamping, Eco Resort e Parque de Autocaravanas intitulado “Hawai de Alfeizerão”, em construção no Casal da Ponte, num investimento que rondará entre 150 a 200 mil euros da Junta de Freguesia, com o apoio da Câmara Municipal de Alcobaça.

Secretário de Estado visitou Pousada da Juventude de Alfeizerão

No âmbito da iniciativa “ANDA (Conhecer Portugal)”, o Secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Correia, visitou a 5 de fevereiro a Pousada da Juventude de Alfeizerão e pôde testemunhar as suas boas condições de manutenção e gestão.

Movimento Viver o Concelho divulga atividades para este ano

A Associação Movimento Viver o Concelho (MVC), das Caldas da Rainha, divulgou o plano de atividades para 2024, anunciando que tem a sua equipa reforçada, novos projetos e “muita vontade de continuar a fazer um bom trabalho na comunidade”, manifestou Teresa Serrenho, responsável desta instituição.