emissão em direto

Bebé nasce em ambulância

Com o bloco de partos da Unidade Local de Saúde do Oeste, nas Caldas da Rainha, fechado entre as nove da manhã de sexta-feira e as nove da manhã de segunda-feira durante o primeiro trimestre deste ano, aumenta a possibilidade de haver grávidas a dar à luz dentro de ambulâncias, enquanto estão a ser transportadas pelos bombeiros para outros estabelecimentos de saúde, como aconteceu na madrugada de 22 de janeiro a uma mulher residente no concelho de Peniche.

Com o bloco de partos da Unidade Local de Saúde do Oeste, nas Caldas da Rainha, fechado entre as nove da manhã de sexta-feira e as nove da manhã de segunda-feira durante o primeiro trimestre deste ano, aumenta a possibilidade de haver grávidas a dar à luz dentro de ambulâncias, enquanto estão a ser transportadas pelos bombeiros para outros estabelecimentos de saúde, como aconteceu na madrugada de 22 de janeiro a uma mulher residente no concelho de Peniche.

Os bombeiros da Lourinhã voltaram a ser os protagonistas, depois de nos últimos anos já terem acontecido vários nascimentos em que participaram. Segundo revelou a associação humanitária, “os bombeiros de 1ª André Mestre e de 3ª Pedro Silva formam a equipa no parto da pequena Sofia, quem sabe uma futura bombeirinha, que quis nascer na ambulância. Um parto, apesar de alguns constrangimentos, tranquilo e que contou também com a presença da VMER – Viatura Médica de Emergência e Reanimação”.

“Esta noite foi uma aventura que me marca para a vida pessoal e como bombeiro, apesar de que vai acontecer mais vezes. São situações como esta que me levam a perder dias e noites neste corpo de bombeiros, como voluntário com a vontade de ajudar o próximo”, comentou Pedro Silva na rede social Facebook, onde um cibernauta manifestou que “qualquer dia existe o grupo dos nascidos nas ambulâncias dos bombeiros da Lourinhã”.

Miguel Alves, pai de Sofia, transmitiu que foi “sem dúvida uma aventura que vamos recordar”, adiantando que a bebé e a mãe, Kelly Ferreira, “estão bem de saúde graças a esta equipa”.

O jornal Alvorada, da Lourinhã, noticiou que o nascimento de Sofia ocorreu pelas 02h15, na EN8-2, ao Km 8,9, entre aquele concelho e Torres Vedras.

O casal, residente em São Bernardino, no concelho de Peniche, tinha ligado para o 112 e o CODU – Centro de Orientação de Doentes Urgentes havia encaminhado a grávida para o Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, para onde Kelly Ferreira e Miguel Alves estavam a dirigir-se. Contudo, devido às fortes contrações, pararam na Lourinhã e ligaram novamente para o 112, tendo sido acionados os bombeiros lourinhanenses para transportar a grávida.

Devido à iminência do parto, tiveram mesmo de ser os bombeiros a concretizar o mesmo. André Mestre explicou ao Alvorada que o parto foi calmo mas “a pequena Sofia vinha com o cordão umbilical enrolado no pescoço”. “Estimulámos um pouco a bebé, que passados poucos segundos começou a chorar”, relatou. A equipa da VMER de Torres Vedras chegou pouco depois e cortou o cordão umbilical, acompanhando de seguida os bombeiros no transporte da mãe e da bebé para o Hospital Amadora-Sintra.

Últimas Notícias

EB de St.º Onofre convida população a participar numa Flash Mob

No âmbito das comemorações dos 30 anos da EB de St.º Onofre do Agrupamento de Escolas Raul Proença, vai ser realizada uma iniciativa de mobilização pela turma H do 5.º ano, no âmbito de um projeto interdisciplinar envolvendo as disciplinas de Cidadania e Desenvolvimento, Inglês, Educação Musical e Educação Física.

Bombeiros não querem ser associados a elemento participante em “reality show”

Os Bombeiros Voluntários do Bombarral emitiram um comunicado, assinado pelo comandante, Pedro Lourenço, e pelo presidente da associação humanitária, Vítor Garcia, em que repudiam ser associados a atitudes por parte de um dos seus elementos, Tiago Rodrigues, que esteve a participar no programa “Era uma vez na Quinta”, transmitido na SIC.