Marcado julgamento de homem acusado de matar companheiro com marreta e desmembrar corpo

Luís Lopes, o homem acusado pelo Ministério Público (MP) de homicídio qualificado e profanação de cadáver do seu companheiro, em abril do ano passado, em Adão Lobo, no concelho do Cadaval, vai começar a ser julgado a 18 de março, no Tribunal de Loures, sede da Comarca de Lisboa Norte.

Luís Lopes, o homem acusado pelo Ministério Público (MP) de homicídio qualificado e profanação de cadáver do seu companheiro, em abril do ano passado, em Adão Lobo, no concelho do Cadaval, vai começar a ser julgado a 18 de março, no Tribunal de Loures, sede da Comarca de Lisboa Norte.

O arguido, que este mês completa 52 anos, foi formalmente acusado em outubro de ter assassinado e desmembrado o corpo de Valdene Mendes, de 47 anos, natural do Brasil. Ambos conheciam-se desde 2007, quando o suspeito o ajudou a tratar do seu processo de legalização em Portugal, tal como fazia com outras pessoas.

Tinham uma relação amorosa e a vítima ocupava há pouco tempo um quarto na casa do suposto homicida. Na sequência de um desentendimento, Luís Lopes ter-se-á munido de uma marreta e, enquanto o companheiro dormia, desferiu com força pelo menos três pancadas na sua cabeça, causando-lhe várias lesões e hemorragia cerebral e, por conseguinte, a morte, refere a acusação do MP, citada pela agência Lusa.

A discussão terá acontecido após o suspeito de ter convencido que Valdene Mendes “apenas mantinha a relação para poder obter benefícios económicos”.

Por se encontrar em “situação económica débil”, a vítima pedia com frequência dinheiro ao arguido para pagar a pensão de alimentos de duas filhas menores, a prestação do empréstimo do seu veículo e despesas de alimentação, ameaçando terminar a relação se não o ajudasse.

Segundo o MP, Luís Lopes matou o companheiro, que chegou a residir nas Caldas da Rainha e no Bombarral, e trabalhou no talho de um hipermercado no Cadaval. O arguido aproveitou a experiência adquirida no manuseamento de cadáveres quando foi coveiro no cemitério do Cadaval e esquartejou o corpo “para dele se desfazer de forma mais fácil” e colocou várias partes em sacos de plástico, que transportou no seu veículo, desembaraçando-se deles em diferentes locais isolados em espaços florestais nas redondezas e inclusive numa habitação em ruínas na própria aldeia onde morava, assim como escondeu num terreno parte do colchão manchado de sangue onde a vítima se encontrava a dormir.

Lavou a viatura, roupas, o chão e as paredes da casa, os móveis, as facas e o serrote que usou, para tentar esconder as provas do crime.

Foi um caçador de javalis quem se deparou com os restos mortais, atraído pelo cheiro nauseabundo do corpo em avançado estado de decomposição, numa zona de mato em Pero Moniz.

A descoberta de um saco com parte do corpo alertou a Polícia Judiciária, que começou a investigar o caso, sendo depois encontrados mais sacos, um deles a poucas dezenas de metros de distância.

A cabeça da vítima seria encontrada posteriormente, a par das coxas, nas ruínas de uma habitação próxima da casa do arguido. Ao todo, foram descobertos cinco sacos com os restos mortais e luvas utilizadas pelo suspeito, que, de acordo com o MP, agiu “com total desprezo pela vida”.

Durante a autópsia foram descobertas tatuagens em várias partes do corpo, uma das quais com referências à bandeira nacional do Brasil, permitindo às autoridades identificar a nacionalidade da vítima, que veio a ser “identificada pelas impressões digitais, através de perícia efetuada pelo Laboratório de Polícia Científica”.

O suspeito encontra-se em prisão preventiva no Estabelecimento Prisional de Lisboa.

Últimas Notícias

Preço médio da venda de casas nas Caldas aumentou 25.000€ em janeiro

O portal imobiliário Imovirtual divulgou nesta segunda-feira o seu barómetro relativo à evolução dos preços médios anunciados de arrendamento e venda no distrito de Leiria, fazendo uma comparação entre janeiro com o mês de dezembro. Nas Caldas da Rainha vender ficou mais caro, passando dos 300.000€ para os 325.000€ e arrendar ficou ligeiramente mais barato, passando de 950€ para 900€.

“Hawai de Alfeizerão” é investimento em campismo com charme

O conceito de acampar com elegância e charme vai ser explorado em breve em Alfeizerão, com a criação de um Parque de Glamping, Eco Resort e Parque de Autocaravanas intitulado “Hawai de Alfeizerão”, em construção no Casal da Ponte, num investimento que rondará entre 150 a 200 mil euros da Junta de Freguesia, com o apoio da Câmara Municipal de Alcobaça.

Secretário de Estado visitou Pousada da Juventude de Alfeizerão

No âmbito da iniciativa “ANDA (Conhecer Portugal)”, o Secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Correia, visitou a 5 de fevereiro a Pousada da Juventude de Alfeizerão e pôde testemunhar as suas boas condições de manutenção e gestão.

Movimento Viver o Concelho divulga atividades para este ano

A Associação Movimento Viver o Concelho (MVC), das Caldas da Rainha, divulgou o plano de atividades para 2024, anunciando que tem a sua equipa reforçada, novos projetos e “muita vontade de continuar a fazer um bom trabalho na comunidade”, manifestou Teresa Serrenho, responsável desta instituição.

Caldense é cabeça de lista do Volt

No dia 10 de fevereiro, pelas 16h00, haverá na Expoeste, nas Caldas da Rainha, um evento de apresentação da candidatura do partido Volt, pelo círculo eleitoral de Leiria.