emissão em direto

Papagaios-do-mar mortos sem gripe das aves

O Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), autoridade nacional para a conservação da natureza, está a acompanhar a situação do surgimento em algumas praias, sobretudo na região Oeste (costa de Peniche), de um elevado número de papagaios-do-mar mortos ou debilitados, tendo revelado que os resultados das análises “são todos negativos para a gripe aviária”.

O Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), autoridade nacional para a conservação da natureza, está a acompanhar a situação do surgimento em algumas praias, sobretudo na região Oeste (costa de Peniche), de um elevado número de papagaios-do-mar mortos ou debilitados, tendo revelado que os resultados das análises “são todos negativos para a gripe aviária”.

Nos últimos dias deram à costa centenas de papagaios-do-mar, uma quantidade considerada “impressionante”. De acordo com o ICNF, “nesta altura do ano, estas aves passam ao largo da costa portuguesa nas suas rotas migratórias”, mas “a causa destes arrojamentos ainda não é conhecida”.

O ICNF tem equipas no local, em articulação com a Proteção Civil Municipal e Polícia Marítima, tendo sido recolhidas dezenas de aves vivas debilitadas e também vários exemplares mortos. As aves estão a ser encaminhadas para o Centro de Reabilitação de Animais Marinhos (CRAM) do Ecomare, onde também se estão a proceder a análises para tentar apurar a causa da morte.

“Todos os anos se verificam arrojamentos de aves marinhas no litoral português, os quais podem ocorrer devido a tempestades no mar, que dificultam o acesso a alimentação e podem causar exaustão a aves que percorrem milhares de quilómetros, à utilização de redes de pesca ilegais, ou a doenças, algumas delas potencialmente transmitidas a humanos”, sublinha o ICNF, que alerta que “os cidadãos que detetem aves mortas, ou a precisar de cuidados na costa, não devem manuseá-las, mas sim alertar as autoridades”.

A causa mais provável será a dificuldade de se alimentarem devido ao mau tempo. Os papagaios-do-mar que têm arrojado estão bastante magros.

O papagaio-do-mar é uma espécie exclusiva do Atlântico Norte e pode aparecer acidentalmente nos Açores e Madeira e atravessar, enquanto migrante, a costa portuguesa nos meses de inverno.

As aves encontradas na costa de Peniche e Lourinhã estão a ser retiradas numa ação coordenada entre o ICNF, a SPEA – Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves, as organizações de conservação do ambiente Mar à Deriva – Adrift Sea, Mestres do Oceano e Lindomar – Foz do Arelho, envolvendo vários voluntários.

Para além de papagaios-do-mar, têm sido encontradas tordas-mergulheiras, gaivotas e outras espécies.

Últimas Notícias

Preço médio da venda de casas nas Caldas aumentou 25.000€ em janeiro

O portal imobiliário Imovirtual divulgou nesta segunda-feira o seu barómetro relativo à evolução dos preços médios anunciados de arrendamento e venda no distrito de Leiria, fazendo uma comparação entre janeiro com o mês de dezembro. Nas Caldas da Rainha vender ficou mais caro, passando dos 300.000€ para os 325.000€ e arrendar ficou ligeiramente mais barato, passando de 950€ para 900€.

“Hawai de Alfeizerão” é investimento em campismo com charme

O conceito de acampar com elegância e charme vai ser explorado em breve em Alfeizerão, com a criação de um Parque de Glamping, Eco Resort e Parque de Autocaravanas intitulado “Hawai de Alfeizerão”, em construção no Casal da Ponte, num investimento que rondará entre 150 a 200 mil euros da Junta de Freguesia, com o apoio da Câmara Municipal de Alcobaça.

Secretário de Estado visitou Pousada da Juventude de Alfeizerão

No âmbito da iniciativa “ANDA (Conhecer Portugal)”, o Secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Correia, visitou a 5 de fevereiro a Pousada da Juventude de Alfeizerão e pôde testemunhar as suas boas condições de manutenção e gestão.

Movimento Viver o Concelho divulga atividades para este ano

A Associação Movimento Viver o Concelho (MVC), das Caldas da Rainha, divulgou o plano de atividades para 2024, anunciando que tem a sua equipa reforçada, novos projetos e “muita vontade de continuar a fazer um bom trabalho na comunidade”, manifestou Teresa Serrenho, responsável desta instituição.