emissão em direto

Porque está o gasóleo mais caro que a gasolina? Qual o impacto no mercado automóvel?

Nos últimos tempos, os preços dos combustíveis têm sofrido oscilações: ora sobem, ora descem. No entanto, verificou-se algo que não se tinha visto antes: o gasóleo está mais caro que a gasolina.

Nos últimos tempos, os preços dos combustíveis têm sofrido oscilações: ora sobem, ora descem. No entanto, verificou-se algo que não se tinha visto antes: o gasóleo está mais caro que a gasolina.

Historicamente, o preço do gasóleo em Portugal é, há muitos anos, mais baixo do que o preço da gasolina. Porquê? Porque o Estado taxa de forma superior a gasolina, favorecendo o consumo de gasóleo. Por isso, muitos portugueses, ao longo dos anos, optaram por comprar automóveis a gasóleo. No entanto, agora deparam-se com o problema: a mudança dos preços dos combustíveis.

Embora os impostos sobre o gasóleo sejam mais baixos, actualmente, o mercado não reflete isso. Mas porquê? Entenda neste artigo.

Sabe o porquê de o gasóleo estar mais caro que a gasolina?

Conforme foi dito, grande parte do parque automóvel nacional consiste em carros a Diesel. O principal motivo? O preço. No entanto, existem outros fatores.

Muitos portugueses optaram pelo gasóleo por este possuir mais energia que a gasolina. Além disso, o motor a diesel é mais robusto, ideal para fazer mais quilómetros no dia-a-dia. Mas, nos últimos tempos, os preços da combustão subiram, apesar dos impostos que paga serem mais baixos. Porquê?

Em suma, o gasóleo e a gasolina são feitos da mesma matéria-prima, isto é, do petróleo. Contudo, um barril de petróleo não resulta na mesma quantidade destes combustíveis. Por isso, o que é que os distingue? A refinação.

Outros fatores que influenciaram a subida dos preços do gasóleo

Com o rebentar da guerra na Ucrânia, associados aos efeitos da pandemia, muitas das refinarias passaram a ter dificuldades em arranjar matéria-prima.

Como tal, o impacto é maior no gasóleo. Porquê? Porque com um barril de petróleo, as refinarias conseguem produzir 75 litros de gasolina. Em contrapartida, com um barril da mesma matéria-prima, só é possível produzir 45 litros de gasóleo.

Quanto ao facto de o gasóleo ser mais caro que a gasolina, as previsões apontam para que isto deixe de acontecer quando diminuir a procura pelo gasóleo. Nesse caso, o preço poderá baixar.

Carros a gasóleo mais caros que a gasolina

Atualmente, comprar um carro a gasóleo é mais caro no ato da compra. Porém, é importante ter em conta que um carro a combustão tem um custo de manutenção mais alto que, a juntar com o aumento dos preços do diesel, fazem desta uma opção pouco apetecível.

Como resultado de todas estas questões, os veículos a gasóleo acabaram por sair desvalorizados. Assim, os veículos a gasolina, híbridos ou movidos a energias alternativas acabam por ganhar mais destaque no parque automóvel português.

Qual é o impacto no mercado automóvel em Portugal?

A juntar-se à crise energética e dos combustíveis, existe outro evento que influencia o mercado automóvel em Portugal: os problemas na produção de carros novos.

Devido à escassez de stock de chips ou semicondutores, existem menos de 40% de automóveis novos disponíveis no mercado. Este cenário fez com que os preços dos carros usados aumentassem entre 20% a 25% ao longo deste ano. Contudo, isto não fez com que os consumidores desistissem de comprar carros usados, muito pelo contrário.

Com o aumento dos preços dos usados, muitos consumidores recorreram ao Pisca Pisca para carros usados recentes. O motivo? É que em comparação com veículos com mais de 1 ano, os usados recentes apresentam uma melhor relação qualidade-preço.

Importação de automóveis em Portugal aumenta 63%

De acordo com alguns dados públicos, a importação de automóveis aumentou cerca de 63% em Portugal. Porquê? Porque os comerciantes do setor necessitam de procurar stock fora do mercado nacional, de modo a conseguirem ter uma maior oferta de carros disponíveis.

A manter-se o ritmo de transações, estima-se que sejam feitas mais de 100 mil importações até ao final de 2022. O principal motivo está na mudança no sistema de impostos para os carros importados que, atualmente, tem em conta a data de produção, e não a data da importação, excetuando carros novos ou com menos de seis meses.

Qual é a tendência do mercado automóvel em Portugal?

Tal como é possível perceber, a falta de carros novos fez com que os portugueses procurassem outras alternativas para satisfazer as suas necessidades. Como tal, houve um crescimento pela procura de carros usados, sejam eles a gasolina ou movidos a energias alternativas.

Por outro lado, a falta de stock no mercado nacional, fez com que a importação aumentasse. Assim, os comerciantes conseguem satisfazer a procura do mercado. Mas, será que esta tendência se irá verificar?

Até que a crise dos chips e dos semicondutores esteja ultrapassada, a tendência é para que a revitalização dos usados cresça. Do mesmo modo, os preços dos carros usados continuarão a aumentar.

Últimas Notícias

MDM quer combate à violência contra as mulheres 

O Movimento Democrático de Mulheres (MDM) assinalou a 25 de Novembro o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres, tendo realizado um jantar-debate na sede do Clube Recreativo Delgadense, na Delgada, no Bombarral e, na véspera, a distribuição de informação no Agrupamento de Escolas Fernão Pó, na vila.

Governador rotário visita clube local

O Rotary Club das Caldas da Rainha recebeu o Governador do Distrito 1960, Vitor Cordeiro, para uma visita de trabalho, no passado dia 14, numa deslocação que teve o seu início na rotunda Rotary (junto ao Continente), onde se fez uma fotografia de grupo junto ao marco rotário.

Água distinguida pela qualidade

A Câmara Municipal do Cadaval voltou a ser contemplada com o “Selo de qualidade exemplar da água para consumo humano” no âmbito da 17.ª Expo Conferência da Água, realizada em Lisboa, no passado dia 22. A autarquia recebe assim, mais uma vez, a distinção que enaltece a qualidade da sua água. A atribuição deste galardão […]

Frederico Silva novamente finalista no Japão 

Chegou ao fim a digressão asiática do atleta caldense Frederico Silva e no quarto e último torneio disputado na cidade japonesa de Yokkaichi, o jogador do Clube de Ténis das Caldas da Rainha voltou a atingir a final do torneio de categoria 80 do ATP Challenger Tour.